Fazendas em SP recebem famílias para atividades ao ar livre com distanciamento

Para lidar com os efeitos do confinamento, famílias aumentaram a busca por passeios nos finais de semana em fazendas e sítios nos arredores de São Paulo.

Esses destinos oferecem piquenique ao ar livre, colheita de frutas e interação com animais —na maioria deles, é preciso fazer reserva como parte dos protocolos contra a Covid.

Na Floresta Park, em Campinas, a pandemia fez um novo serviço surgir: piqueniques distribuídos em diferentes áreas da fazenda. O visitante recebe uma cesta com itens como pão caseiro, lanche natural, bolo, frutas e geleia. O preço custa de R$ 25 (criança) a R$ 59 (adulto).

A atividade começou com quatro pontos de piquenique e hoje conta com 24, afirma Nathália Nadelicci, gerente de marketing. Cerca de 80% dos visitantes vêm da região metropolitana de São Paulo.

Os pontos ficam a pelo menos 30 metros de distância uns dos outros e são distribuídos em trechos de mata atlântica, nos arredores da horta da fazenda e de um riacho. Mais concorridas, outras três áreas permitem um isolamento ainda maior: são acessadas de carro pelas famílias, que retiram a cesta na recepção por drive-thru.

Os espaços recebem apenas um grupo por dia, e os visitantes são avisados sobre o que esperar de cada ambiente, diz Nathália. Na área de mata atlântica, por exemplo, há mais umidade e são vistos animais como macaco e tucano.

As crianças ganham um kit de montar e pintar, que inclui pincel e tinta. Também podem participar de outras atividades, como a visita à fazendinha com animais. Máscaras são necessárias nos deslocamentos e na área comum.

Com a taxa de transmissão do coronavírus ainda alta, viajar implica correr um risco adicional, mas é uma forma de preservar a saúde mental, diz Mirian Dal Ben, infectologista do Hospital Sírio-Libanês.

Segundo a médica, é preferível fazer atividades ao ar livre, sem objetos compartilhados e com distanciamento de pelo menos dois metros, sem esquecer a máscara. O momento da refeição requer mais atenção a essas regras, porque é quando a proteção facial é retirada.

A especialista também lembra que é interessante carregar álcool em gel e educar a criança a não levar a mão ao rosto, mesmo que o mecanismo de transmissão pelo contato seja menos importante do que o respiratório.

Os protocolos de segurança e a chance de estar na natureza levaram a corretora de seguros Carolina Bacchim Guimarães, 42, a visitar no fim de maio a Toca da Raposa, em Juquitiba, a cerca de uma hora e vinte minutos de São Paulo, com a filha e uma amiga, ambas com sete anos.

“Ela viu cobra, coruja e iguana. No fim, disse que tinha sido o terceiro melhor dia da vida dela”, diz Carolina. As reservas são abertas às segundas-feiras, e o ideal é fazer o agendamento no início da semana para garantir o ingresso.

O espaço, que costumava receber excursões de escolas, voltou-se a atividades para famílias depois da Covid. A cada período, quatro grupos são recebidos para fazer piquenique e brincar ao ar livre em quatro espaços isolados —um deles, por exemplo, tem miniarvorismo e torre de pneus.

O ingresso inclui refeição e permite conhecer, com ajuda de um monitor, viveiros de animais que não estão aptos a retornar à natureza —alguns, vítimas de tráfico—, incluindo macacos, arara e raposa. Custa R$ 340 para três pessoas, grupo mínimo.

O contato com os bichos também motivou a médica Mariane Simamura, 37, a conhecer a Smart Farm, em Guarulhos, com os filhos de um e três anos no último feriado.

O espaço, que lembra uma fazenda americana, tem como atração espécies como lhamas e ovelhas. A estrutura permite que as crianças vejam e interajam com animais.

Lá, Mariane conta que encontrou corredores largos entre as baias, onde visitantes conseguiam manter o distanciamento. Já nas áreas com maior concentração de pessoas, como restaurante e recepção, é necessário ter atenção para garantir o cumprimento dos protocolos, diz ela.

Sandra Takebayashi, dona do Orquidário Takebayashi, em Atibaia, afirma que a procura para colher morangos em sua propriedade aumentou três vezes na pandemia. A atividade é feita por reserva em horários espaçados, para garantir que apenas uma família aproveite a estufa por vez. A partir desta sexta (10) será possível fazer agendamento para a próxima safra.

No passeio, que dura cerca de 40 minutos, cada grupo aprende sobre o cultivo e recebe uma cesta para colheita. A entrada custa de R$ 2,50 (criança) a R$ 5 (adulto) e são cobrados cerca de R$ 30 por um quilo de morango.

A procura também aumentou no Capril do Bosque, que produz queijos de leite de cabra em Joanópolis, a cerca de duas horas de São Paulo.

Além de um restaurante, que funciona com capacidade reduzida e agendamento, o local tem área ao ar livre com ponte, escorregadores e balanço, em que crianças podem brincar com cabritos. A atividade (R$ 10 por criança) é supervisionada por monitor.

Também é possível aprender sobre a criação de cabritos e as cabras leiteiras em um tour que passa pelo estábulo onde os animais dormem (custa R$ 10 para crianças e R$ 15 para adultos).

Capril do Bosque
Endereço: estrada da Terra Preta, Km 3, Joanópolis, São Paulo
Horário: sábado, domingo e feriados, das 12h às 17h
Reserva: (11) 95555-9232
Atividade: área ao ar livre com ponte, escorregadores e balanço, em que crianças podem brincar com cabritos. A atividade (R$ 10 por criança) é supervisionada por monitor. Também é possível fazer um tour e aprender sobre a dinâmica dos animais (R$ 10 para crianças e R$ 15, adultos).

Floresta Park
Endereço: rodovia CAM-367, Km 3,8, s/n, Bairros dos Limas, Campinas, São Paulo
Horário: sábado, domingo e feriados, das 10h às 15h
Reserva: florestapark.com.br ou (19) 99983-3052
Atividade: piquenique em pontos demarcados equipados com mesa, cadeira e rede. Os participantes podem acessar a fazendinha local de animais (grátis) e fazer outras atividades com preço sob consulta. O visitante deve trazer utensílios pessoais, como talheres e toalhas. O preço vai de R$ 25 (criança) a R$ 59 (adulto).

Smart Farm
Endereço: rodovia Presidente Dutra, km 214, 664, Guarulhos
Horário: quarta a domingo e feriados, das 11 às 18h
Reserva: (11) 99290-2761 ou fazendasmartfarm.com.br
Atividade: o circuito, com decoração estilo Velho Oeste, tem 400 animais para crianças verem e, em alguns casos, interagirem. Entre os bichos estão cavalos, vacas, avestruzes, ovelhas, porquinho-da-índia, coelhos e lhamas. Ingresso: R$ 29,90 (crianças) a R$ 49,90 (adultos).

Orquidário Takebayashi
Endereço: estrada Hisaichi Takebayashi, 1.675, Jardim Colonial, Atibaia, São Paulo
Horário: terça a domingo, das 9h às 17h
Reserva: (11) 99182-4699
Atividade: no passeio que dura cerca de 40 minutos, cada família aprende sobre o cultivo de morango e recebe uma cesta para colher a fruta. A entrada custa de R$ 2,50 (criança) a R$ 5 (adulto) e são cobrados cerca de R$ 30 por cesta de um quilo de morango

Toca da Raposa
Endereço: rodovia Régis Bittencourt, Km 323, Juquitiba, São Paulo
Horário: sábado, domingo e feriado nos períodos da manhã (9h às 12h30) e tarde (13h30 às 17h)
Reserva: taplink.cc/tocadaraposajuquitiba ou (11) 95050-0559
Atividade: ingresso inclui piquenique em área isolada e visita a viveiros de animais que não estão aptos a retornar à natureza. Custa R$ 340 para três pessoas (grupo mínimo)

Fonte: Folha de S.Paulo

Comentários Facebook